Métodos de Gravação Sonora: A transição do analógico para o digital

Há tempos que a música não é mais a mesma. Foi-se a época em que as bandas queriam apenas tocar, sem se importar com as vendas. O mundo da música mudou consideravelmente.

Desde as primeiras experiências de músicos dentro de estúdios, A gravação em fita analógica sempre prevaleceu. Tomemos por exemplo os primórdios do rock nos anos 50: Chuck Berry, Elvis Presley, Bo Diddley e Little Richard. Essa geração, mesmo na época em que a evolução da tecnologia era precária, já viu grandes avanços no método de gravação, como a gravação de multi-faixas desenvolvida por Les Paul e o tratamento inovador de sons por produtores musicais como Joe Meek, pioneiro na distorção da guitarra.

Muitos anos se passaram e muitas bandas surgiram, como por exemplo Cliff Richard, Jimi Hendrix, The Animais, The Who, Pink Floyd, Led Zeppelin e nos finais da era analógica, Nazareth, Grand Funk Railroad, Kiss, Deep Purple, Queen, Aerosmith, entre outros, estes que tiveram o grande privilégio de ter seus álbuns gravados em fita, com lançamentos em vinis e nas famosas “K-7”. Nessa época, se o músico queria uma música com perfeita qualidade, teria que tocar com perfeita qualidade, já que nem se pensava em alterações digitais.

Foi pela metade dos anos 80 que a gravação digital começou a surgir. Bandas como Guns N’ Roses, Iron Maiden e Def Leppard tiveram suas primeiras experiências já com este tipo de gravação. Problemas na voz e na sonoridades das percussões podiam ser facilmente reparadas. Por mais que eu seja um grande fã dessas bandas, especialmente do Guns N’ Roses, sei que essas bandas foram completamente produzidas para vender, lucrar e enriquecer seus produtores. Começaram a surgir os CD’s e DVD’s e os vinis extinguiram-se,  o que ajudou bastante na venda das bandas. Isso foi uma perda irreparável no mundo da música.

Outra perda com essa transição foi o estúdio Sound City, que tinha uma sonoridade perfeita. Segundo alguns bateristas que trabalharam neste lugar, como nada mais, nada menos que Dave Grohl, as salas de gravação das percussões tinham uma acústica tão boa que provavelmente nunca se verá igual. Mas qual foi essa grande perda? Acontece que esse estúdio não se atualizou com essa transição, e as bandas começaram a abandoná-lo e procurar outros estúdios para gravar, e como tudo é mais fácil digitalmente, O estúdio faliu, e nunca mais se teve uma sonoridade parecida.

Atualmente, o antigo está virando moda. O Vintage ganhou muita força. E as bandas, o que fizeram? Aproveitaram-se disso, é claro! Desde 2008, bandas de Rock lançam suas novas gravações também em vinil. O mais recente CD do Foo Fighters, Wasting Light, foi gravado em fita analógica, com equipamentos comprados do Sound City, na garagem de Dave Grohl, com a produção de Butch Vig, que também produziu o Nevermind, do Nirvana.

Creio que se a gravação antiga voltar, a bandas também vão, e com isso teremos de volta as bandas lá dos anos 50, o verdadeiro Rock N’ Roll.

Texto Por Adm Gabriel S’

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s